sábado, 23 de agosto de 2014

mística

A mística fruta
que te perfuma
anda por aqui me convocando
Quente e absoluta
no meu corpo ruiva bruma
em pólens me escapando
Será que me escuta
tua pele sol? Ou não há pele nenhuma
e afinal estou a mando
(de um desvario só)
?

quinta-feira, 10 de julho de 2014

enquanto desconfias

Daqui de minha torre
Fito as águas entregues à luz da lua
E busco com força prender as águas de meus olhos
No mesmo luar.
Porém, meu amor não morre…
Insiste, rasga, sua
Por tantos poros
Que eu nem sei cantar.

Primeira cor, primeiro tom.
De repente parece que nunca havia visto…
Nunca assim arrebatada
De repente, assim parece…
Que nunca da pele um som
Tão perfeito. No íntimo sol de ti existo
Mais do que nunca – mas não tenho estrada.
E enquanto desconfias, apenas, e de novo, amanhece.


sábado, 22 de março de 2014

ou

ou eu estou viva
ou eu ganho a vida
ou eu sou livre - à deriva
ou eu estou digna - perdida
ou eu me conecto - me agito
ou eu cumpro - me alivio
ou eu durmo
ou eu grito
ou eu outono
ou eu estio
ou eu me banho
ou eu chovo
ou eu como
ou eu morro. 

(às vezes, tudo simplesmente não cabe)
(no entretanto-limite, vou esquecendo de morrer)