domingo, 23 de outubro de 2011

ela

copacabana continua linda. mar bravio, cor de sal intenso, combina comigo. sol me acolhendo na carência das horas docemente desesperadas. eu caminho por fora, corro dentro de mim... tudo é moreno no horizonte. ela continua linda.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

sublimação

Eu sou a intérprete das canções perdidas
A capa dos romances amachucados
O trilho interrompido do trem desesperado
Sublimado em perfume de uma tragédia antiga.
Eu sou o ser que ama sem ser amado
O ser último e primeiro da Terra.
De mim nascem todos os papéis penetrados por poemas
Todas as serenatas e todas as guerras e todos os lemas
Todos os exageros e todos os segredos
Todos os medos e todos os nervos
Tudo o que chora, e que demora ou é de repente
Todos os erros e acertos são meus.
E amo meu amor ausente com o mesmo desapego de Deus.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

morenitude

Moreno mar que me chamas, com sussurros de sereias, à viagem descobridora,

Como esquecer a delícia desse horizonte distante de canela e caril?

* Senza Pieta, pintura de Aaron Nagel.